Amigos cruzam o estado de Santa Catarina e percorrem mais de 800Km de bicicleta de Imbituba-SC a Bernardo de Irygoien, na Argentina.

Trio cruza SC até fronteira com Argentina
O desafio começou nesta segunda-feira (18), no litoral catarinense, e encerrou nesta sexta (22), na Argentina (Foto: Arquivo pessoal)

O que começou sendo brincadeira durante uma conversa se tornou uma grande aventura e mais um desafio concluído com sucesso na carreira profissional de três amigos ciclistas. Alexander Machado de Oliveira, de Xanxerê, Eduardo Areias Melo, de Florianópolis, e César A. Chiochetta, de Pato Branco-PR, percorreram 812,8 Km em uma viagem que durou o total de 89 horas. Eles saíram de Imbituba-SC nesta segunda-feira (18), atravessaram o estado e chegaram ao destino final, a cidade de Bernardo de Irygoien, na fronteira com a Argentina, na madrugada desta sexta-feira (22).

Alexander tem 35 anos e pedala há três. Ele participa com frequência de provas de longa distância e foi numa delas, conhecida como Audax, que ocorreu em Balneário Camboriú, que conheceu Eduardo, durante um percurso de 200 Km e, na sequência, César, em uma prova de 300 Km. Depois, os três participaram de um desafio de 400 Km, onde pedalaram por um tempo juntos. Pronto, foi o suficiente para começarem uma grande amizade.

Eu estava conversando com o Eduardo e ele disse que tinha a ideia de vir pedalando para Xanxerê. Daí eu brinquei: ‘se tu vem pra Xanxerê pedalando, eu vou para Florianópolis e aí viemos juntos’. Daí depois de um tempo a gente conversou novamente sobre o assunto e aí eu comentei: ‘já que vamos até Xanxerê, por que não vamos até a Argentina? São só mais 200 Km’. E ele concordou. Acabamos convidando então o César, que é tão doido quanto a gente, e ele topou – conta Alexander.

Largada Brasil a Argentina
Os ciclistas deram início a aventura ao sair de Imbituba, em Santa Catarina (Foto: Arquivo pessoal)

 

A aventura

A largada para o desafio foi dada, então, na segunda-feira (18). Os três amigos saíram de Imbituba, no litoral catarinense, subiram a Serra do Rio do Rastro e encerraram o dia quando chegaram a São Joaquim. Na terça (19), o percurso foi de São Joaquim a Campos Novos e, na quarta (20), de Campos Novos a Xanxerê. A reta final ocorreu na quinta-feira (21), quando percorreram os últimos 200 Km e chegaram a Bernardo de Irygoien, na Fronteira entre Brasil e Argentina, à 1h da madrugada desta sexta (22). No total, a viagem durou 89h sendo que 36h17min foram pedalando.

Percurso do Brasil a Argentina
No mapa, o trajeto percorrido pelos ciclistas (Foto: Arquivo pessoal)

Foi bem tranquilo. Nós evitávamos pedalar muito a noite, tínhamos medo de acidente. O pior trecho que pegamos foi de Campos Novos a Xanxerê, porque a BR estava muito movimentada, mas o restante foi muito tranquilo. Pegamos uma semana de tempo muito bom, sol durante os quatro dias. Tivemos apenas um pneu furado, tínhamos levado dez câmaras reservas e achávamos que íamos ter que comprar mais, mas usamos só uma. Não imaginávamos que seria tão bom – comenta Alexander.

Passagem por São Joaquim
Registro da passagem por São Joaquim (Foto: Arquivo pessoal)

O ciclista conta que, para realizar o percurso, eles despachavam as bagagens por ônibus até o próximo destino e retiravam na rodoviária quando chegavam lá, momento em que seguiam para um hotel com os pertences para passar a noite, descansar, e repetir tudo no dia seguinte. Para ele, o apoio que receberam das famílias, dos amigos e das pessoas que encontraram pelo caminho, que ficaram maravilhadas com o feito, foi fundamental para que a viagem fosse bem sucedida.

Nós somos atletas profissionais que já estamos acostumados com desafios de longa distância. Então, para fazer uma coisa dessas, tem que ter muito preparo físico mas, acima de tudo, preparo psicológico. E nós tivemos o apoio das nossas famílias e de amigos durante todo o percurso, inclusive na Serra, onde os pais do Eduardo esperaram a gente com água fresca e, depois meus pais, que nos escoltaram nos últimos quilômetros, já que era madrugada e o trecho era perigoso. Tudo isso foi essencial para que conseguíssemos – destaca.

Contemplação, do Brasil a Argentina
No caminho os atletas se depararam com belas paisagens (Foto: Arquivo pessoal)

Ao chegarem no destino final, os atletas foram para um hotel descansar, aproveitaram o dia na Argentina e retornaram à Xanxerê de carro, ainda nesta sexta-feira (22), com familiares. E se alguém aqui acha que, por um bom tempo, nada de desafios ‘malucos’, como algumas pessoas que encontraram pelo caminho disseram, está muito enganado. Os três já pensam em fazer outra viagem, dessa vez partindo da cidade de Bernardo de Irigoyen, na fronteira, até Buenos Aires, capital da Argentina. Tudo bem que ainda não tem data definida, mas eles garantem que isso acontecerá logo. Por enquanto, fica a sensação de mais um desafio superado.

Eu nunca imaginei que eu teria condição de fazer uma coisa assim. A recompensa maior em pedalar esses 812 Km foi a amizade consolidada por nós três, que passamos de amigos para grandes irmãos de pedal. Todos os ciclistas, amantes de um bom pedal e um bom papo, devem pelo menos uma vez na vida passar por uma experiência dessas. É algo que somente quem vive uma “loucura”, como todos diziam, saberá o que sentimos nesses quatro dias – finaliza Alexander.

Relato Eduardo Areias, do Brasil a Argentina
Os atletas chegaram ao destino final, na fronteira com a Argentina, na madrugada desta sexta-feira (22) (Foto: Arquivo pessoal)

 

Esporte mudando vidas

O Eduardo, que começou a história toda, tem 27, pedala há um ano e meio e é considerado o mais experiente dos três, inclusive mais do que César, de 34 anos, que é ciclista há quatro. Isso porque ele já enfrentou provas de longa distância bem longas mesmo, como um desafio de 1.200 Km em Paris, na França, no ano passado, dos quais conseguiu concluir 870 Km em função de uma lesão que sofreu durante o trajeto. E quem vê o Eduardo hoje nem imagina que, antes de começar a pedalar, ele pesava 154Kg.

Eduardo Areias Melo
(Foto: Arquivo pessoal)

Eu comecei a pedalar para emagrecer e era o único esporte que eu poderia fazer que não proporcionava impacto para o meu joelho. E aí fui criando gosto, fui conhecendo essas provas de longa distância até chegar nesse desafio internacional, que era o sonho do meu irmão, mas que ele infelizmente não pode ir. E ali, apesar de não ter concluído a prova, eu ganhei mais conhecimento de parceria, de saber respeitar o próximo, de criar uma amizade com todo mundo que está envolvido num desafio: colegas, equipe, população local… e isso me ajudou muito – conta.

Eduardo diz que antes do ciclismo era muito envergonhado, que tinha receio de interagir com as outras pessoas. Hoje, além de ter perdido a timidez, 62Kg e provado que não precisaria de uma cirurgia de redução de estômago para ter uma vida saudável, ele ainda conquistou muitas amizades com o esporte.

Eduardo Areias Melo
(Foto: Arquivo pessoal)

Sem palavras para falar sobre amizade e essa viagem. Encontrar duas pessoas que conseguem passar quatro dias pedalando sem ter nenhum atrito é muito raro. Porque ficar muito tempo em cima de uma bicicleta te deixa muito impaciente, e com eles foi sempre na amizade, estavam sempre lá pra ajudar uns aos outros. Se eles dissessem hoje, agora, ‘vamos fazer amanhã tudo de novo?’, eu diria: ‘sim, vamos!’. Não importa o cansaço, porque foi incrível! – conclui.

Publicado em: Tudo Sobre Xanxere – Notícias – 22/01/2016

 

Veja também

• Audax – Ciclismo de Longa Distância
• Flèche Velócio
• Paris-Brest-Paris

Facebook: tripedalnetTwitter: @tripedalnetInstagram: @tripedalnetMore...