Doença curada, status alcançado! Triatleta brasiliense precisou superar doença e trauma até chegar à consagração no Havaí, e agora sonha com o bi em 2018.

Marconi Ribeiro XTerra
Campeão mundial em 2017, Marconi Ribeiro está focado em defender seu título em 2018 (XTerra)

Atualmente com 40 anos de idade, o brasiliense Marconi Ribeiro é um dos principais nomes do triathlon amador nacional. Quem vê o rapaz franzino obtendo ótimas performances em alto mar, sobre duas rodas ou correndo por trilhas diversas, nem imagina o tamanho da complicação que o próprio precisou superar para seguir brilhando no esporte até ser campeão mundial (categoria 40 a 44 anos) do XTERRA, na Ilha de Maui, no Havaí, em 2017.

Em 2004, Marconi, que já fazia ciclismo desde os 13 anos, passou a sofrer com seguidas tonturas e enxaquecas, que apareciam o tempo todo, sobretudo quando corria ou pedalava. O atleta explica que foi também quando começou a surgir o interesse pelo triathlon, mas ainda havia um receio muito grande devido ao que lhe foi dito pelo médico. “A natação era meu maior limitador, não me sentia seguro devido ao trauma que o doutor me deixara. Ele dizia que eu poderia ter uma crise ou vir a desmaiar, que eu não poderia entrar sozinho em elevadores, não poderia nadar e sempre precisaria estar acompanhado, mas ainda não sabia o que eu tinha. Então nunca me preparei para uma prova de triathlon por medo de entrar na água e pelo temor que me colocaram”, revela.

Após consultar uma segunda opinião, Marconi Ribeiro foi diagnosticado com disritmia cerebral, popularmente conhecida como epilepsia. Já ciente de seu problema, ele foi informado que precisaria tomar uma medicação durante três anos, duas vezes por dia. Somado a isso, veio o principal fator para sua cura, o trabalho da psicóloga Luciana Castello Branco, que o fez superar o medo e cogitar uma nova aventura. “No final de 2016 eu já estava na fase de transição graças à ajuda da minha psicóloga Luciana. Ela fez com que eu tomasse coragem de realizar alguns treinos de natação e fui voltando a treinar tudo com mais intensidade, visando participar da minha primeira prova de triathlon em 2017, quando estaria 100% já”, conta.

Marconi Ribeiro XTerra
Brasiliense foi o único brasileiro até hoje a vencer no XTERRA World Championship (XTerra)

Desde então Marconi se transformou em um atleta de ponta, porém não se profissionalizou. Sua preferência é o off-road e, com uma classificação para o Mundial logo em sua primeira participação no XTERRA, ele se encantou e se motivou a lutar também pelo ranking nacional em 2018, apesar de já ter perdido a primeira etapa em Mangaratiba.

“Comecei pedalando na estrada em 1991, mas migrei para o MTB em 1994. Sem dúvidas eu me identifico muito mais com o mato e natureza, com o barulho dos animais, o som das folhas quando corremos ou passamos de bike por cima delas. Então resolvi me inscrever no XTERRA Brazil 2017 e foi tudo muito bem organizado, tive tudo o que buscava, terminei em 1° lugar na categoria e consegui me classificar para o Mundial em Maui. Em 2018 pretendo competir pelo ranking sim, estou na disputa”, garante Marconi.

Sobre o XTERRA World Championship, o brasiliense lembra com orgulho e alegria e já sonha com o bicampeonato no próximo dia 28 de outubro, em Lahaina, no Havaí.

Marconi Ribeiro XTerra
Marconi viveu um momento único no XTERRA no Havaí (XTerra)

Foi um momento mágico desde o dia que pisei na ilha de Maui, entrei no clima do local, mas não perdi a concentração. Fiz os treinos de reconhecimento do percurso, depois treinei na pista de bike e fiquei mais animado porque tinham muitas subidas e era tudo o que eu queria. Graças a Deus ocorreu tudo como o esperado, fiz uma boa natação, um bom pedal e quando eu entrei na transição e não vi nenhuma bicicleta da minha categoria, quase não acreditei. Aí dei tudo o que podia nos 10,5 km de corrida e quando entrei na areia da praia comecei a lembrar de tudo o que fiz para chegar ali, desde treinamentos, alimentação, descanso, ter superado o medo, a torcida dos amigos e familiares, etc. Fui curtindo aqueles metros finais olhando o mar lindo até subir no gramado do hotel e receber uma bandeira do Brasil. Foi algo incrível e muito emocionante, ainda mais com minha esposa e irmão presentes, chorei e agradeci muito a Deus por aquele momento único na minha vida. O objetivo agora é ir lá novamente e tentar defender o título, vamos torcer para que tudo corra bem até lá e eu consiga vencer novamente. Seria espetacular” Marconi Ribeiro

 

Veja também

» XTERRA Brazil Tour 2018 dará vagas para o mundial de Triathlon e Trail Run no Havaí
» Calendário XTerra Brazil Tour 2018
» Conheça as distâncias e tipos de competições no triathlon

 

Fonte

Assessoria de Imprensa XTerra Brasil | X3M Sports

Facebook: tripedalnetTwitter: @tripedalnetInstagram: @tripedalnetMore...