Na primeira quinzena de julho, tomei conhecimento da Ultramaratona “Caminhos de Rosa” através de um amigo. No primeiro momento a resposta foi “não”, mas, após começar a ler sobre a prova e conhecer o contexto histórico / cultural, não tive dúvidas e resolvi entrar nessa aventura.

Feito a inscrição, comecei a estudar as possibilidades de logística para transporte de bike, hospedagem e traslado, nessa parte recebi um grande apoio do casal Darley e Julia, que foram um capítulo a parte desse evento.

Miqueias Gois Caminhos de Rosa
Miqueias Gois na largada do percurso de 140km da Caminhos de Rosa em Morro da Garça/MG (Arquivo Pessoal)

Horas antes da prova um mix de sentimentos que se confundem entre ansiedade, insegurança, vontade de girar, frio na barriga etc… Passado esse momento é anunciado “dez minutos para a largada”, e adrenalina vai lá em cima, assim como a temperatura, pois são 15h00 na cidade do Morro da Garça em pleno Sertão Mineiro.

Quando é dada a largada, atletas de várias categorias saem em busca da superação pessoal e comigo não é diferente, também estava lá para provar para mim mesmo que era possível.

Miqueias Gois na Caminhos de Rosa
Um Chorão do Cerrado na Caminhos de Rosa (Arquivo Pessoal)

Nos primeiros 45k de prova a poeira e o sol foram os principais desafios, mais não me deixei abalar. A noite chegou entre o segundo e terceiro ponto de controle, e com ela a falta de iluminação — um obstáculo a mais — que foi vencido com o suporte de uma lanterna.

Próximo ao terceiro PC um ciclista da região, nº 129 de apelido “Dudu” me alcançou e seguimos um apoiando o outro pelos 40 km seguintes até próximo a Fazenda Paulista. Após o jantar um macarrão ao molho repôs minhas energias, segui em frente, e na altura do km 121, em um momento de distração, não observei a sinalização da prova e pedalei 3,6 km fora do percurso, que nessa altura e ainda mais em uma prova como essa faz muita diferença.

Miqueias Gois na chegada da caminhos de rosa 2017De volta ao percurso e com ritmo mais lento devido ao cansaço e a lanterna com carga baixa, fui alcançado pelo ciclista de nº 119, Ernani, que se prontificou a emprestar a lanterna reserva. Seguimos um pouco mais e dessa vez na altura do km 129, mais uma distração e dessa vez eu e Ernani saímos do trajeto e adicionamos mais “dois km” de percurso à prova. Um pouco cansado, retornamos ao trajeto e passamos pelo trecho mais técnico da prova, com uma descida muito forte e com bastante erosão. Ao passar pela última porteira dessa parte do percurso, a vontade de terminar só aumentava e foi assim nos quilômetros seguintes até cruzar a linha de chegada.

Maior satisfação do que completar a prova foi verificar no painel que com meu tempo de prova, eu assumia a segunda colocação na classificação da minha categoria e com isso tive o prazer de subir pela primeira vez no pódio do ciclismo.
“Caminhos de Rosa” é uma prova para ficar na memória!

Pódio Sub 45 reduzido Caminhos de Rosa
Miqueias Gois, segundo geral da sub 45, e ficou em 1º no pódio da sua categoria nos 140km da Caminhos de Rosa 2017.

Agradecimento a Deus pela vida. A minha esposa, Rubia Gois, e meu filhos, Samuel e Sarah, pelo apoio e incentivo. E ao casal Darley e Julia pelo suporte e logística.

Que venham os próximos desafios!

Miqueias Gois – Chorões do Cerrado Bike Team

 

Veja Também

» Relato de Darley Cardoso sobre os 300km da Caminhos de Rosa 2017
» Saiba mais sobre a Ultramaratona Caminhos de Rosa

Facebook: tripedalnetTwitter: @tripedalnetInstagram: @tripedalnetMore...